A música durante a guerra fria

A arte, é um importante instrumento de manifestação. Ela, muitas vezes, reflete o que as pessoas sentem sobre determinadas épocas, como a angústia e a indignação durante as guerras ou a admiração e a fascinação quando várias descobertas científicas foram feitas. A música Russians, escrita por Gordon Matthew Thomas Sumner, cantor e ator inglês, mais conhecido como Sting, encaixa-se no que foi exposto anteriormente. Em sua composição ele expressa toda indignação durante o período da Guerra Fria, conflito ideológico entre a União Soviética e os Estados Unidos,  e sua preocupação com o futuro de seu filho diante de tantas ameaças entre as potências. Demonstra também a insegurança, o medo e a desconfiança na palavra de seus governo, que promete proteger seu povo, mas permanece na guerra com o propósito de vence-lá.

Russians

In Europe and America

There’s a growing feeling of hysteria

Conditioned to respond to all the threats

In the rhetorical speeches of the Soviets

 

Mister Krushchev said, “We will bury you”

I don’t subscribe to his point of view

It’d be such an ignorant thing to do

If the Russians love their children too

 

How can I save my little boy

From Oppenheimer’s deadly toy?

There is no monopoly of common sense

On either side of the political fence

 

We share the same biology

Regardless of ideology

Believe me when I say to you

I hope the Russians love their children too

 

There is no historical precedent

To put the words in the mouth of the president?

There’s no such thing as a winnable war

It’s a lie we don’t believe anymore

 

Mister Reagan says, “He will protect you”

I don’t subscribe to his point of view

Believe me when I say to you

I hope the Russians love their children too

 

We share the same biology

Regardless of ideology

What might save us, me and you

Is if the Russians love their children too

Russos (tradução)

 

Na Europa e nos EUA

Há um crescente sentimento de histeria

Condicionado pela réplica de todas as ameaças

Num retórico discurso dos Soviéticos

 

O senhor Krushchev citou “Nós iremos acabar com vocês”

Eu não confio no seu ponto de vista

Será de tal maneira uma coisa ignorante de se fazer

Se os russos amam suas crianças também

 

Como eu posso salvar meu pequeno garoto

Do assassino brinquedo de Oppenheimer?

Não há monopólio do senso comum

No outro lado do muro

Nós compartilhamos a mesma biologia

Apesar de não compartilhar a ideologia

Acredito quando digo à vocês

Tenho esperança de que os russos também amam suas crianças

 

Não há exemplo histórico

Colocar palavras na boca do presidente?

Não existe coisa como guerra vitoriosa

isto é uma mentira e nós não acreditaremos em mais nada

 

Senhor Reagan disse, “Ele irá proteger vocês”

Eu não confio no seu ponto de vista

Acredito quando digo à vocês

Tenho esperança de que os russos também amam suas crianças

 

Nós compartilhamos a mesma biologia

Apesar de não compartilhar a ideologia

Eu e acredito quando digo para você

Tenho esperança de que os russos amam suas crianças também.

Sting

 Ouça a canção Russians

 

Anúncios

Raphael Sales- As canções de protesto da atualidade

Quem o viu chegando ao palco do IFMG Ouro Preto, no dia 20 de novembro de 2017, para se apresentar na Semana de Cultura Afro do instituto, não imaginava a profundidade de suas letras cantadas com um ritmo tão suave.

Raphael Sales carrega consigo um talento indiscutível: além de ser músico autodidata, compõe músicas que denunciam problemas sociais do país. Aos menos atentos, parece ser um show (e que show) de voz e violão, ao estilo de Caetano e Gil. Porém, ao longo das pausas que ele faz para contextualizar suas composições, os espectadores percebem que não há nada de tão comum na apresentação: pelo contrário. Ela causa estranheza por tratar de uma forma tão nua temas como o racismo, o preconceito e o funcionamento do sistema capitalista.

Uma das músicas que chama atenção é “Rolezinho”, que descreve cenas vividas cotidianamente pela população negra brasileira. Ela evidencia uma realidade latente: a de que o racismo está mais presente nas coisas “banais” do que nas grandes atitudes.

“Sempre tem alguém desconfiado na frente ou do meu lado (sempre tão desconfiados)

numa porta giratória na padaria supermercado (sempre tão desconfiados)

classe de suspeito e a fisionomia de culpado (sempre tão desconfiados)

 

É comum na C&A Casas Bahia também

ou armazém ninguém me quer lá

No Banco do Brasil no Itaú Mercantil

não vou fazer refém só depositar

 

A senhora agarra a bolsa com o olhar todo acuado (com o passo apressado)

o homem de farda grita “mão na cabeça favelado” (sempre muito bem armado/ sempre  

tão mal educado)

 

Loja de celular mesmo com notas de cem

alguém já vem querer me vigiar

O segurança me viu

olhou bem de um jeito sutil

porém nós somos do mesmo lugar!”

Além de tratar sobre o racismo, sua experiência como metalúrgico o fez compor uma canção chama “A Fábrica”. Quando começou a tocá-la, o sinal da escola, anunciando o fim de mais um horário de aulas, tocou, e ele incitou a reflexão sobre o caráter fabril das escolas brasileiras, muitas vezes interessadas na formação intelectual acima da humana e cidadã.

Lançando um disco autoral em breve, Raphael figurou um dos momentos de reflexão mais importantes da Semana de Cultura Afro e lembrou-nos brilhantemente que a música é uma das ferramentas mais importantes de crítica social da atualidade.

Ouça as músicas de Raphael em seu canal no Youtube: https://www.youtube.com/user/raphaelsaless

Qual a relação entre a CIA e a Guerra Fria?

gf

Como sabemos a Guerra Fria foi uma disputa estritamente estratégica desencadeada por Estados Unidos e União Soviética que através de conflitos indiretos buscavam conquistar uma hegemonia politica, econômica e militar vista por todo o mundo.

Dessa forma, os dois países adotavam medidas próprias para atingir o principal objetivo sem o uso de armas e produtos tóxicos. Para isso eram necessários certos artifícios que anulassem os feitos do oponente a fim de se sobressair na disputa.

Tendo isso em vista a CIA, Central Intelligence Agency, além de espionar o adversário teve o importante papel de financiar e investir nas obras artísticas e intelectuais durante a Guerra Fria com o intuito de neutralizar a arte realista soviética do período.

O dinheiro vinha da CIA, mas o seu nome não aparecia nas doações, O chileno Paz Guevara, lembra que o Serviço Secreto americano estava por trás de quase tudo no meio artístico da época.

O Museu de Arte Moderna de Nova York organizava a participação americana em São Paulo e recebia ajuda da CIA que teve um papel importante de mecenas na Bienal.

A frente de combate entre os blocos funcionava também na música e na arquitetura. Com a sua política, a CIA conseguiu influenciar o surgimento de uma vanguarda artística que sobreviveu ao congresso. Mesmo que a maioria dos artistas não tenha recebido diretamente dinheiro do Serviço Secreto, a organização e divulgação de exposições confirmavam a importância do projeto para os EUA, em busca do aumento da sua influência no mundo. Mas, 66 anos depois, muitos europeus observam com nostalgia essa era, quando a Europa tinha os EUA como bússola.

gf1

 

República velha

 Com a chegada do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) aumenta-se a procura por material de estudo, e é hora de relembrar o conteúdo sobre a República Velha no Brasil.

República Velha, ou Primeira República, é o nome dado ao período compreendido entre a Proclamação da República, em 1889, e a eclosão da Revolução de 1930.

reo velha-era vargas

Geralmente, divide-se o período em dois momentos: a República Oligárquica e a República da Espada.

A República oligárquica durou cerca de 40 anos, e tem esse nome devido a disposição do poder na época onde ele se concentrava nas mãos de uma pequena parcela da população. O nome oligarquia vem do grego e significa poder nas mãos de poucos, no caso do Brasil ele se mantivera com latifundiários, cafeicultores e pessoas ricas de São Paulo e Minas Gerais.

O período ficou marcado pelo domínio político que São Paulo (cafeeiro), e Minas Gerais (elite rural), exerciam sobre o governo federal, que ficou conhecido posteriormente como política do café com leite. Nessa época que se desenvolveu fortemente o coronelismo, o que auxiliou  na manutenção do poder político regional.

Outro marco para a época foi a queda no volume de exportação do café em São Paulo, e com as riquezas que a prática acumulou, pôde-se dar início ao tardio processo de industrialização brasileira.

República da Espada abrange os governos dos marechais Deodoro da Fonseca e Floriano Peixoto. Para começar a falar da república da espada é importante lembrar do “golpe de 15 de novembro” de 1889, onde D. Pedro II fora retirado do seu trono por militares, e depois fora instalada a república, e o poder passou a ser disputado por três principais grupos: os positivistas que têm ideais centralizadores, os Jacobinos, que com ideais mais populares compõem grupos urbanos e intelectuais  e  os Liberais que buscam pela descentralização do poder, e favorecem o federalismo.

Seguem abaixo questões de vestibulares passados, para auxilia-los nos estudos:

Questão 1:

(VUNESP) Na Primeira República (1889-1930) houve a reprodução de muitos aspectos da estrutura econômica e social constituída nos séculos anteriores. Noutros termos, no final do século XIX e início do XX conviveram, simultaneamente, transformações e permanências históricas. (Francisco de Oliveira. Herança econômica do Segundo Império, 1985.)

O texto sustenta que a Primeira República brasileira foi caracterizada por permanências e mudanças históricas. De maneira geral, o período republicano, iniciado em 1889 e que se estendeu até 1930, foi caracterizado:

a) pela predominância dos interesses dos industriais, com a exportação de bens duráveis e de capital.

b) por conflitos no campo, com o avanço do movimento de reforma agrária liderado pelos antigos monarquistas.

c) pelo poder político da oligarquia rural e pela economia de exportação de produtos primários.

d) pela instituição de uma democracia socialista graças à pressão exercida pelos operários anarquistas.

e) pelo planejamento econômico feito pelo Estado, que protegia os preços dos produtos manufaturados.

Questão 2:

O primeiro presidente eleito da chamada “Nova República”, por meio das eleições diretas de 1989, foi Fernando Collor de Melo. Sobre o governo Collor, é incorreto dizer que:

a) foi interrompido por um processo de impeachment, em 1992.

b) teve como vice-presidente da República Itamar Franco.

c) deu início ao Plano Real, que criou a moeda de mesmo nome.

d) ficou marcado, no plano econômico, pelo confisco das poupanças dos brasileiros.

e) o movimento popular que contribuiu para o seu fim chamava-se “Caras pintadas”.

Questão 3

(ENEM 2011) É difícil encontrar um texto sobre a Proclamação da República no Brasil que não cite a afirmação de Aristides Lobo, no Diário Popular de São Paulo, de que “o povo assistiu àquilo bestializado”. Essa versão foi relida pelos enaltecedores da Revolução de 1930, que não descuidaram da forma republicana, mas realçaram a exclusão social, o militarismo e o estrangeirismo da fórmula implantada em 1889. Isto porque o Brasil brasileiro teria nascido em 1930

MELLO, M. T. C. A república consentida: cultura democrática e científica no final do Império.
Rio de Janeiro: FGV, 2007 (adaptado).

O texto defende que a consolidação de uma determinada memória sobre a Proclamação da República no Brasil teve, na Revolução de 1930, um de seus momentos mais importantes. Os defensores da Revolução de 1930 procuraram construir uma visão negativa para os eventos de 1889, porque esta era uma maneira

 

a) valorizar as propostas políticas democráticas e liberais vitoriosas.

 

b)resgatar simbolicamente as figuras políticas ligadas à Monarquia.

c) criticar a política educacional adotada durante a República Velha.

d) legitimar a ordem política inaugurada com a chegada desse grupo ao poder.

e)destacar a ampla participação popular obtida no processo da Proclamação.


 GABARITO:

Questão 1-

Letra C

Na Primeira República, também chamada de República Velha, a principal atividade econômica era a produção de produtos primários, principalmente agrícolas, como o café. Apesar de a industria, nessa época, ter tido um espaço considerável, a economia ainda era eminentemente agrária. Do ponto de vista político, o poder estava concentrado nas mãos de uma elite oligárquica rural, que se alternava no poder por meio de métodos eleitorais escusos, como o voto aberto.

Questão 2- 

Letra C

O Plano Real foi iniciado pelo sucessor de Collor, o presidente Itamar Franco, que, sendo vice do primeiro, assumiu o posto quando Collor sofreu o processo de impeachment. O plano foi elaborado por um grupo de economistas, entre eles Gustavo Franco, e pelo então ministro da Fazenda, Fernando Henrique Cardoso.

Questão 3-

Letra D

Ao colocar fim a Primeira República, a Revolução de 1930 além de representar a insatisfação de grupos oligárquicos dissidentes – principalmente dos estados de Minas Gerais e Rio Grande do Sul – pretendia obter o apoio de classes que estavam gradativamente mais presentes em uma sociedade cada vez mais urbanizada, estes eram os proletariados e a classe média (representados principalmente pelo tenentismo). Sendo assim, ao chegar ao poder Getúlio Vargas; iniciando neste período a Era Vargas; busca criticar e desqualificar todo o período caracterizado como República Velha, para legitimar nova ordem política e buscar adesão desses novos segmentos da sociedade.

 

 

O significado da Proclamação da República

Ao se analisar a passagem do regime monárquico para o republicano, percebe-se que o fim do governo de Dom Pedro II não gerou mudanças profundas na sociedade do período, além de gerar alguns conflitos. Toda via, a proclamação foi consequência de um governo que não mais possuía base de sustentação política e não contou com intensa participação popular. O povo assistiu a tudo bestializado.

Em torno dessa realidade histórica, a literatura tem o poder de construir o período aqui mencionado de maneira provocadora e desveladora. O escritor Murilo Mendes ilustra por meio do seu poema “Quinze de Novembro” como se deu a Primeira República.

Imagem relacionada

Assim, ele diz:

“Deodoro todo nos trinques

Bate na porta de Dão Pedro Segundo.

“- Seu imperadô, dê o fora

que nós queremos tomar conta desta bugiganga.

Mande vir os músicos.”

O imperador bocejando responde

“Pois não meus filhos não se vexem

me deixem calçar as chinelas

podem entrar à vontade:

só peço que não me bulam nas obras completas de Victor Hugo.”

A partir dos versos percebe-se a ausência da participação popular, sem falar de certa proximidade entre o imperador e Marechal Deodoro da Fonseca, o que leva ao ponto da não diferenciação dos dois regimes, onde a república não logrou benefícios para a massa popular, além se ecoar o sentido de como se era visto e tratada as instituições brasileira, algo a ser passado de mão em mão sem uma percepção de que era por ela que se poderia atender os anseios populares.

FONTE : http://desconstruindoahistoria.blogspot.com.br/2012/11/o-significado-da-proclamacao-da.html

Semana de Arte Moderna

A intelectualidade brasileira organizou, em 1922, em São Paulo, a Semana de Arte Moderna. Essa semana contribuiu para que a arte brasileira ganhasse características próprias, mostrando cenas típicas da paisagem e do povo brasileiro. Assim, enquanto Cândido Portinari pintava os retirantes da seca, Di Cavalcanti retratava as mulatas brasileiras e Tarsila do Amaral mostra os rostos da classe operária em frente às chaminés da grande indústria.

Foi também um movimento político que contestava o velho governo e as antigas regras que predominaram até os anos 1920, contribuindo para reforçar o sentimento de crítica à omissão do Estado na solução dos problemas nacionais e de urgência de transformações na sociedade.

Essa semana finalmente rompeu com velhas fórmulas a que todos estavam acostumados, modificando a linguagem, as formas de expressão visual, o gosto musical e contestando todas as regras existentes. O poeta Oswaldo de Andrade, por exemplo, recusava-se a usar a linguagem pomposa, apreciada pela elite, adotando uma linguagem simples, cheia de gírias e expressões populares, como podemos ver neste poema:

Relicário

No baile da corte
Foi o conde d’Eu quem disse
Pra Dona Benvinda
Que farinha de Suruí
Pinga de Parati
Fumo de Baependi
É comê bebê pitá e caí.

Suruí: farinha de mesa.

Parati: um peixe semelhante, a tainha aprox. 30 cm, corpo prateado com dorso escuro.

Baependi: Origem tupi, clareira na mata marginal do Rio Grande, por onde passavam os descobridores. (Cidade do sul de minas).

Para finalizar, temos a imagem a seguir, de Anita Malfatti, uma das artistas que expôs seus trabalhos na semana de Arte Moderna, totalizando 20 telas, na qual se destaca “O Homem Amarelo”.

amarelo

Fontes:

http://profhugoleonardo.blogspot.com.br/2012/10/a-semana-de-arte-moderna-o-brasil-como.html
https://www.todamateria.com.br/anita-malfatti/

A Primeira República

Muitos olhares e interpretações sobre a história cultural da Primeira República estão comprometidos com a sentença de que só a partir de 1920 e 1930 teriam surgido intelectuais verdadeiramente comprometidos com a descoberta do Brasil e um governo empenhado em elevar a cultura brasileira através da valorização da música popular e do samba em especial como gênero nacional por excelência. A Primeira Republica costuma ser avaliada de uma forma negativa, pelo que não foi. Seus dirigentes políticos e intelectuais não teriam conseguido incorporar politicamente e culturalmente os setores populares, nem valorizar as coisas “genuinamente” nacionais, de acordo com os referenciais do Estado Novo.

Em 1902, aparecem músicas sobre temas políticos, como “Laranjas da Sabina”, “Saldanha da Gama” e “Camaleão”. Todas elas estão voltadas para trás: abordam costumes parlamentares dos tempos do Império e resgatam episódios ocorridos na turbulenta transição entre o fim da monarquia e a consolidação da República.  “Cabala Eleitoral” lançada pouco depois, por Bahiano e Cadete, ainda estaria marcada pela mesma necessidade de ajustar contas com o passado.

Resultado de imagem para PRIMEIRA REPUBLICA

Cabala eleitoral (1904-1907)

Autor: Bahiano e Cadete
Intérprete: Bahiano e Cadete
Gênero: Desafio
Gravadora: Casa Edison

Desejo, prezado amigo,
Com grande satisfação
De ter o vosso votinho
Na próxima eleição

Não posso, meu coroné,
O (voto) de graça eu não dou
É breve lição do meu pai
Conselho do meu avô

Eu prometo meu amigo
De lhe dar colocação
Se vancê votar comigo
Ao menos nesta eleição

Tem algo (?) essa paciência,
Meu ladino coroné,
Meu voto eu dou de espontâneo
A quem quer que me faça o pé

Eu vos dou terno de roupa
Dou cavalo, dou terneiro
Em troca do vosso voto
Dou até mesmo dinheiro

Já tenho calo na sola
Meu ladino coroné,
Hoje você me dá tudo
Amanhã me mete o pé

Eu vos quero muito bem
Meu caro eleitor amigo
Não seja tão emperrado
Venha cá votar comigo

Vai armar pra quem quiser,
Coroné, sua arapuca
Eu cá sou macaco velho
Não meto a mão na cumbuca

FONTES: